saloma do blog Autos Orfãos Autodromo de Interlagos SP Fusca Club ABC Monte seu VW hot rod brasil forca livre motorsport Portal do Carro Antigo venda direta

Traduzir o Blog

9 de fev de 2010

Um pouco sobre a Gurgel Motores

fundador
                                                                                                   *João Augusto Conrado do Amaral Gurgel 1926 - 2009

Formado pela Escola Politécnica de São Paulo em 1949 e pelo General Motors Institute, em 1953, Gurgel fundou sua própria empresa em 1º de setembro de 1969, na cidade de Rio Claro, interior de São Paulo.

A marca começou em 73 e durante sua vida produziu os modelos BR-800, BR-Van, Delta, FD-30 TJ, Supermini, Supercross, Cena, Xavante, X12, X15, G15, Carajás, G800, Itaipu (carro 100% elétrico recarregável que parou de ser fabricado por andar pouco) E400, Ipanema, TA-01, XEF e Motomachine.

Seu primeiro modelo foi um bugue batizado como Ipanema, que utilizava chassi, motor e suspensão Volkswagen. Em 1973, chegava o Xavante, primeiro veículo de sucesso da marca. Construído com plástico reforçado com fibra-de-vidro – materiais que seriam utilizados em todos os Gurgel -, o jipe compacto utilizava peças de Fusca (como a suspensão) e Kombi.

Em 1974, Gurgel surpreendeu ao apresentar o Itaipu, primeiro carro elétrico 100% nacional. Apesar do design exótico, o veículo tinha dimensões compactas, possuía dois lugares e podia ser recarregado em qualquer tomada doméstica, tal qual os carros-conceito apresentados atualmente. Um dos modelos elétricos era um compacto urbano, chamado de CENA (Carro Elétrico Nacional. O projeto, entretanto, não vingou por falta de investidores.

O utilitário X15, lançado em 1979, não repetiu o mesmo êxito do Xavante. Com versões de cabine simples e dupla e furgão, o carro tinha visual que dividia opiniões. O exército brasileiro, cliente de longa data da Gurgel, adotou o veículo para o transporte dos militares.

Dois anos depois, chegava o XEF, um carro urbano de três-volumes e dimensões compactas. Com mecânica de Brasília e detalhes que lembravam os Mercedes-Benz, o veículo não fez sucesso por conta do alto preço.

Em 1984, o lançamento do Carajás firmou a imagem da marca no segmento de fora-de-estrada. Nas versões de teto rígido, teto de lona e militar, o jipe tinha motor refrigerado a água do Santana e apenas duas portas. A suspensão independente nas quatro rodas era um de seus maiores triunfos.

Em setembro de 1987, Gurgel ressuscitou a sigla CENA ao apresentar o primeiro minicarro produzido pela montadora. Os motores tinham 600 cm3 ou 800 cm3 e desenvolviam 26 cv ou 32 cv, respectivamente. Após algumas mudanças, o projeto foi lançado em 1988 como BR-800. O carro era capaz de transportar quatro passageiros e atingia a velocidade máxima de 110 km/h.

Uma nova evolução do projeto chegaria em 1992. Batizado de Supermini, o compacto tinha carroceria de plástico com garantia de 100 mil quilômetros e era livre de corrosão. O modelo durou até 1993. Uma última variação do Supermini, chamada de Motomachine, chamava a atenção por soluções como as portas transparentes. Porém, poucas unidades foram produzidas.

Com muitas dívidas e sofrendo com a concorrência das montadoras brasileiras, a fabricante pediu concordata na metade de 1993. Em uma última tentativa de se salvar, a empresa entrou com um pedido de financiamento no valor de 20 milhões de dólares, que foi negado pelo Governo Federal. A Gurgel Motores encerrou suas atividades em 1994.

Modelos fabricados pela Gurgel Motores

br 800 
BR 800

br 800 van 
BR 800 VAN

gurgel carajas 
CARAJÁS

projeto cena
PROJETO CENA

delta
DELTA

e 400
E-400

g 15
G-15

g 800
 G-800

x 12
X-12

x 15
X-15

TA-01

xavantes
XAVANTE

ipanema
IPANEMA

itaipu
ITAIPU

super cross
SUPERCROSS

motomachine
MOTOMACHINE

XEF

Nenhum comentário:

Contato

Seu Nome :
Seu E-mail :
Assunto :
Menssagem :
Imagem (case-sensitive):

Pesquisar este blog